Sign In

   

Governo muda regra de uso de CRI pelos bancos

12Fev2016Feb12,2016
Mercado de capitais
Valor Econômico

Governo muda regra de uso de CRI pelos bancos 

Da redação

O governo, em seu esforço para fomentar o crédito habitacional e gerar mais liquidez para os bancos, mudou as regras para o uso de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs). O principal beneficiado com a mudança deve ser a Caixa Econômica Federal, segundo analistas. ​

Na regra anterior, quando uma instituição cedia os créditos para a securitizadora montar o CRI, deixava de contar imediatamente com esse montante para o cálculo de destinação de 65% do saldo médio dos depósitos à vista para o crédito habitacional. Sem gerar novos créditos de imediato, a instituição estava obrigada a recolher compulsório junto ao BC. Com a nova resolução, publicada ontem após reunião extraordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN), os créditos cedidos entre março de 2016 e dezembro de 2017 poderão ser deduzidos de forma proporcional ao longo de 12 meses.

A medida vai facilitar o processo de securitização das carteiras dos bancos, na visão de Gilberto Abreu, diretor ­executivo de negócios imobiliários do Santander. "Hoje há necessidade de equalizar ativos e passivos nos balanços. Quando você faz uma securitização, gera descasamento porque não desmobiliza o passivo na mesma velocidade", diz Abreu. Bancos privados não costumam ter relevância nessas operações. A Caixa diz em nota que o objetivo da resolução é incentivar a securitização do crédito imobiliário, "uma importante alternativa para gerar recursos para aplicação".

"O governo busca fomentar o crédito habitacional e gerar mais liquidez para os bancos, o que pode aumentar a oferta de crédito geral e reduzir o spread bancário", afirma Bruno Tuca, sócio do escritório de advocacia Mattos Filho.

Ver notícias do escritório